Convenção das Nações Unidas sobre Acordos de Liquidação Internacionais Resultantes da Mediação (“Convenção de Singapura (na mediação)“) entrou em vigor em 12 setembro 2020. Ele cria uma estrutura harmonizada para a aplicação rápida e econômica de acordos internacionais de liquidação mediada, com o objetivo de tornar a mediação mais eficiente e atraente para as partes comerciais em todo o mundo, como uma alternativa para arbitragem internacional e litígio.

O momento de sua entrada em vigor é bastante conveniente, considerando a interrupção causada pelo Pandemia do covid-19 em todas as frentes, incluindo transações comerciais internacionais e o aumento da necessidade de resolução rápida de disputas em escala global.

Além de Inglês, o texto da Convenção de Cingapura também está disponível em francêsespanholchinêsárabe e russo.

Alvo: A “Convenção de Nova York” para Mediação?

A Convenção de Cingapura sobre Mediação preenche uma lacuna que faltava nas opções de aplicação da mediação, Enquanto o 1958 Convenção de Nova York sobre o reconhecimento e execução de sentenças arbitrais estrangeiras feito com sucesso para arbitragem (a “Convenção de Nova York“) e a 2005 Convenção de Haia sobre Acordos de Escolha do Tribunal (a “Convenção de Haia“) tentativas de fazer para litígio.

A Convenção de Cingapura unifica a estrutura para fazer cumprir acordos de liquidação mediada relacionados a questões comerciais internacionais. Os Estados que ratificam a Convenção de Cingapura são então obrigados a cumprir acordos de liquidação resultantes de mediação de acordo com suas próprias regras, ainda por meio de um procedimento judicial simplificado, conforme previsto na Convenção. A Convenção de Cingapura visa, em última instância, facilitar o comércio internacional, tornando a mediação um método eficiente e confiável para resolver disputas, ao lado de arbitragem e litígio.

Antes da Convenção de Cingapura, um acordo de solução mediada internacional carecia de aplicabilidade por si só. Isso significava que, se a parte vencida não cumprisse voluntariamente o resultado de uma mediação, a parte inocente teve que iniciar um processo de arbitragem ou tribunal por violação de contrato e, posteriormente, buscar fazer cumprir a sentença arbitral ou sentença judicial resultante para obter a reparação solicitada, o que causou despesas desnecessárias adicionais e perda de tempo. Este foi um grande impedimento para as partes sequer considerarem a mediação, já que eles poderiam simplesmente optar por arbitragem e garantir a executoriedade.

Marcos – Situação Atual da Convenção de Cingapura

No momento da escrita (janeiro 2021), a Convenção de Cingapura tem 53 signatários, incluindo os EUA, China e Índia, mas apenas seis festas (Estados que o ratificaram), isto é, Cingapura, Fiji, Catar, Bielorrússia, Equador e Arábia Saudita (Vejo Status da Convenção de Cingapura em janeiro 2021).

Adoção: A Convenção de Cingapura foi adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 dezembro 2018.

Assinatura: Em 7 agosto 2019, abriu para assinatura em Singapura (Artigo 11(1) da Convenção de Singapura) e na mesma data foi assinado por 46 Estados, incluindo economias importantes, como os EUA. e China, ultrapassando o 10 países que inicialmente assinaram a Convenção de Nova York quando ela foi aberta para assinatura em 10 Junho 1958 Em Nova Iórque embora agora tenha sido ratificado por 166 Estados (Vejo Status da Convenção de Nova York em janeiro 2021). Em janeiro 2020, os signatários da Convenção de Cingapura subiram para 53.

Ratificação: Em 25 fevereiro 2020, Cingapura e Fiji foram os dois primeiros países que ratificaram a Convenção de Cingapura, seguido por Qatar em 12 marcha 2020.

Entrada em vigor: A Convenção de Singapura posteriormente entrou em vigor em 12 setembro 2020, isto é, seis meses após o depósito ao Secretário-Geral das Nações Unidas do terceiro instrumento de ratificação pelo Catar, de acordo com os artigos 10, 11(4) e 14 da Convenção de Singapura.

Assinatura versus Ratificação: Deve-se ter em mente que, assinando um tratado, um Estado meramente expressa sua intenção de cumprir o tratado, que não é obrigatório em si. Só quando for ratificado, isto é, aprovado segundo o procedimento interno do Estado, isso se torna formalmente vinculativo para esse Estado.

Dito isto, enquanto a Convenção de Cingapura certamente teve um bom começo, ainda resta saber quantos Estados irão ratificá-lo (e quando eles farão isso), o que acabará por ditar seu sucesso. Convenção de Nova York, por exemplo, tem atualmente 166 Partes estaduais e é, portanto, aclamado com razão como o de maior sucesso, instrumento multilateral no campo do direito comercial internacional, Apesar de, quando originalmente lançado em 1958, não parecia ser particularmente atraente para os Estados.

O apelo inicial da Convenção de Cingapura entre os Estados pode ser explicado pelo crescimento exponencial que os métodos alternativos de resolução de disputas têm evidenciado nos últimos anos, juntamente com o surgimento de várias instituições de administração sofisticadas.

Notavelmente, instituições que oferecem serviços de mediação estão respondendo aos desenvolvimentos atuais no domínio da mediação. Por exemplo, Tribunal de Arbitragem Internacional de Londres (LCIA) atualizou recentemente o seu Regras de mediação LCIA, que se tornou efetivo em 1 Outubro 2020. Em 18 Maio 2020, o Centro de Mediação Internacional de Singapura (SIMC) também lançou o Protocolo SIMC COVID-19, oferecendo mediação acelerada em resposta à necessidade urgente de resolver disputas transfronteiriças de maneira rápida e econômica, à luz da pandemia COVID-19.

Âmbito de aplicação

A Convenção de Cingapura sobre Mediação se aplica aos acordos de liquidação “resultante de mediação e concluído por escrito pelas partes para resolver uma disputa comercialque são “internacional“Na natureza no momento de sua conclusão (Artigo 1(1) da Convenção de Singapura).

Internacional”Para os fins da Convenção de Cingapura significa que (uma) pelo menos duas partes têm seus locais de negócios em estados diferentes ou (b) o estado dos locais de negócios das partes é diferente de qualquer (Eu) o Estado em que uma parte substancial das obrigações decorrentes do acordo de liquidação é realizada ou (ii) o Estado com o qual o objeto do acordo de liquidação está mais intimamente conectado (Artigo 1(1) da Convenção de Singapura).

Mediação”É definido na Convenção de Cingapura como“um processo, independentemente da expressão usada ou da base sobre a qual o processo é realizado, em que as partes tentam chegar a uma solução amigável de sua controvérsia com a assistência de uma terceira pessoa ou pessoas (‘O mediador’) sem autoridade para impor uma solução às partes da disputa” (Artigo 2(3) da Convenção de Singapura).

O “em escrita”Requisito é satisfeito se o conteúdo de um acordo de liquidação“é registrado em qualquer forma“, Incluindo “por um eletrônico comunicação, se as informações nele contidas forem acessíveis de modo a serem utilizáveis ​​para referência posterior” (Artigo 2(2) da Convenção de Singapura).

A Convenção não se aplica a acordos concluídos para “pessoal, fins familiares ou domésticos”Ou aqueles relacionados a“família, herança ou lei trabalhista” (Artigo 1(2) da Convenção de Singapura). Nem se aplica a acordos de liquidação que sejam executáveis ​​como uma decisão judicial ou como uma decisão arbitral (Artigo 1(3) da Convenção de Singapura), uma vez que a aplicação nesses dois cenários normalmente cairia no escopo do Convenção de Haia (para um julgamento do tribunal) ou o Convenção de Nova York (para uma sentença arbitral).

Reservas abertas aos Estados

Nos termos do artigo 8 da Convenção de Singapura, Os estados têm a opção de fazer duas reservas, isto é, que um estado:

(uma) “não aplicará esta Convenção a acordos de liquidação de que seja parte, ou da qual qualquer agência governamental ou qualquer pessoa agindo em nome de uma agência governamental seja parte, na medida especificada na declaração;”E / ou

(b) “deverá aplicar esta Convenção apenas na medida em que as partes no acordo de solução tenham concordado com a aplicação da Convenção.

Nenhuma outra reserva é permitida, exceto as duas especificadas acima (Artigo 8(2) da Convenção de Singapura).

Os estados podem fazer reservas a qualquer momento, isto é, sobre a assinatura, a ratificação ou após a ratificação da Convenção de Singapura. No primeiro caso (fase de assinatura), qualquer reserva está sujeita a confirmação no momento da ratificação. No segundo caso (estágio de ratificação) qualquer reserva entrará em vigor simultaneamente com a entrada em vigor da Convenção de Cingapura para esse Estado, enquanto no último cenário (estágio de pós-ratificação), torna-se efetivo seis meses após a data do depósito da reserva (Artigo 8(3) da Convenção de Singapura).

Tão longe, Bielorrússia, O Irã e a Arábia Saudita fizeram reservas sob o Artigo 8 da Convenção de Singapura (Vejo Status da Convenção de Cingapura em janeiro 2021).

Ao contrário da Convenção de Nova York, a Convenção de Cingapura não tem reserva de reciprocidade, o que significa que uma mediação situada em qualquer lugar do mundo poderia ser reconhecida e executada em um Estado ratificador.

Formalidades – Requisitos de aplicação

Nos termos do artigo 4(1) da Convenção de Singapura, uma parte pode solicitar à autoridade competente, isto é, tribunais nacionais, de um Estado-parte da Convenção para solicitar a reparação buscada sob um acordo de solução, desde que:

(uma) o acordo de liquidação é devidamente assinado pelas partes; e

(b) há evidências suficientes de que o acordo de liquidação resultou de mediação, como a assinatura do mediador ou o atestado da instituição administradora.

Uma tradução do acordo de liquidação ou “qualquer documento necessário para verificar se os requisitos da Convenção foram cumpridos”Pode ser solicitada pelo tribunal nacional competente (Artigo 4(3) e (4) da Convenção de Singapura).

Além disso, todos os tribunais nacionais de execução “deve agir rapidamente”Ao considerar o pedido de alívio (Artigo 4(5) da Convenção de Singapura).

Motivos para recusar a execução

Existem motivos limitados com base nos quais os tribunais nacionais “pode”Recusam-se a fazer cumprir acordos internacionais de liquidação mediada, conforme previsto no Artigo 5 da Convenção de Singapura. Esses fundamentos são divididos em duas categorias, isto é, aqueles que devem ser invocados e comprovados por uma parte (Artigo 5(1)(uma)-(f)) e aqueles que podem ser tidos em conta pelo tribunal competente por sua própria iniciativa (Artigo 5(2)(uma)-(b)).

Em particular, a execução pode ser recusada nos termos do Artigo 5(1) da Convenção de Cingapura se:

(uma) Uma festa “estava sob alguma incapacidade“;

(b) O acordo de liquidação mediado:

(Eu) “É nulo e sem efeito, inoperante ou incapaz de ser realizado nos termos da lei a que as partes validamente o sujeitaram ou, na falta de qualquer indicação, nos termos da lei considerada aplicável pela autoridade competente“; ou

(ii) “Não é vinculativo, ou não é final, de acordo com seus termos“; ou

(iii) “Foi posteriormente modificado“;

(c) As obrigações no acordo de liquidação foram cumpridas ou não são claras;

(d) “Conceder alívio seria contrário aos termos do acordo de liquidação“;

(e) “Houve uma violação grave por parte do mediador das normas aplicáveis ​​ao mediador ou a mediação sem a qual essa parte não teria celebrado o acordo de liquidação“; ou

(f) O mediador não divulgou “para as partes circunstâncias que levantam dúvidas justificáveis ​​quanto à imparcialidade ou independência do mediador e tal não divulgação teve um impacto material ou influência indevida sobre uma parte, sem a qual essa parte não teria celebrado o acordo de liquidação.

Nos termos do artigo 5(2) da Convenção de Singapura, os tribunais também podem sua sponte recusar-se a conceder a reparação solicitada se achar que:

(uma) Fazendo assim “seria contrário à política pública”Daquele estado; ou

(b) “O objeto da disputa não é passível de solução por mediação” debaixo de Os tribunais.

A inspiração foi aparentemente extraída dos motivos para a recusa de reconhecimento e execução de uma sentença arbitral, conforme estabelecido no Artigo V do Convenção de Nova York. Ao contrário do último, é interessante que o artigo 5(1)(d) da Convenção de Singapura (“Conceder alívio seria contrário aos termos do acordo de liquidação“) permite que as partes comerciais recusem expressamente a Convenção de Cingapura. No geral, os fundamentos do artigo 5 da Convenção de Singapura parece prima facie limitado em escopo. Resta saber como serão interpretados pelos tribunais nacionais na prática, Contudo.

***

Em suma, a Convenção de Cingapura sobre Mediação é um novo instrumento internacional promissor que visa facilitar a resolução de disputas comerciais internacionais, tornando os acordos de resolução mediada internacional exequíveis, uma característica significativa anteriormente concedida apenas a sentenças arbitrais e algumas sentenças judiciais. Com um apelo inicial encorajador (53 Estados signatários e 6 Estados ratificantes), a Convenção de Cingapura é um passo importante para a promoção da mediação em escala global. Seu impacto real ainda está para ser visto, Contudo.

Fonte: https://www.international-arbitration-attorney.com/pt/2018-singapore-convention-on-mediation/

Mediação do Morar